biologicas

Friday, August 18, 2006

Bioquimica 12/08/2006

12/08/2006

Bioquímica
Patrícia F. R.Rodrigues

1) - Relacione os itens seguintes com os conceitos: Ácidos, básico e neutro

a) coca-cola tem
b) um tablete de antiácido dissolvido num copo d´agua tem
c) uma xícara de café tem
d) uma solução em que

2) - O acidente ocorrido recentemente com o navio Bahamas provocou o vazamento de milhares de toneladas de ácido sulfúrico na Lagoa de Patos.em determinados locais foram registrados valores de PH entre 3 e 4. podemos afirmar que, nesses locais a concentração aproximada de íons de hidroxila, em mol foi:

a) maior que
b) maior que
c) maior que
d) maior que

3) – Em uma solução aquosa de uma base, podemos afirmar que:

a) e
b) e
c) e
d) e


4) – A temperatura ambiente, o ph é um certo refrigerante,saturado com gás carbônico,quando em garrafa fechada, vale 4. ao abrir a garrafa,ocorre escape de gás carbônico. Qual deve ser o valor ph do refrigerante depois de aberta a garrafa?

a)
b)
c)
d)

5) – Após comemorações excessivas dos festejos de final de ano um indivíduo foi acometido de azia (acidez estomacal excessiva) o mais aconselhável para ele ingerir com um pouco de água é:
a) vinagre
b) suco de laranja
c) bebida alcolica
d) limão
e) leite de magnésia

Zoologia 12/08/2006 Filo Tardigrado,Rotífera e Acanthocephala

12/08/2006

Zoologia II
Cinara Sier Nazário


Filo tardigrado
Nome popular: ursod’água
Latim: tardus – lento gradus – andar

Classe: Heterotardigrado (136)
Classe: Mesotardigrado
Classe: Eutardigrado

Número de espécies
No mundo: 136 marinhas
No Brasil: 6 marinhas

Características gerais:
Grande diversidade morfológica
Cérebro (apêndice sensoriais cefálicos)
Pouco conhecimento das espécies representantes

Classe Eutardigrada
Não possuem cutícula

Classe Heterotardigrado e Mesotardigrado
Possuem cutícula quitinosa ornamentada e dividida em placas

São cosmopolitas encontradas em vários ambientes

Ocorrem em vários tipos de ambientes (musgos, liquens, terra, folhiços, algas, plantas, lagos, rios e poços).
Não possuem importância econômica
São fundamentais no estado de filogenia de metozoários

Musculatura pouco desenvolvida

Os nomes tem relação com a reprodução
Eutardigrado reprodução sexuada
Heterotardigrado reprodução sexuada e assexuada
Mesotardigrado reprodução assexuada

· Não tem celoma

· Tem sistema digestório completo, mas alguns nem tem sistema digestório.

Filo Acanthocephala

3 folhetos triploblásticos.
não tem cabeça nem boca.
só tem parasitas que parasitam desde o peixe até mamíferos.
É bilateral,não é radial.


Filo Rotifera
Rotíferos

Características Gerais
­ Simetria bilateral
­ Corpo de certa forma cilíndrico
­ Corpo revestido com cutícula
­ Trato digestivo – mástax
­ Células flamas
­ Gânglio nervoso dorsal, órgãos sensitivos em forma tufo ou manchas ocelares
­ Sexos separados

Estrutura e Função
­ Cabeça, tronco e pé
­ Possui uma coroa ciliada que ajuda na locomoção e alimentação
­ Sistema digestivo completo

História Natural
­ Cosmopolitas
­ Vida livre e solitária
­ Água doce e calma, com muitas vegetações aquáticas
­ Alimentam-se de detritos orgânicos assim como outros organismos
­ Servem de alimento para vermes e pequenos crustáceos

Principais Representantes
­ Classe Seisonacea: Seison
­ Classe Bdelloidea: Abrotrocha, Philodina, Rotaria(Rotifer)
­ Classe Monogononta: Proales, Mytilina, Epiphanes(Hydatina)

Reprodução
­ Assexuada (partenogênese) ou com a participação do macho.
­ Dos ovos fecundados pelos machos podem nascer machos e fêmeas
­ Partenogênese (sem a participação do macho) nascem apenas as fêmeas

Classificação
­ Reino: Animalia
­ Sub reino: Metazoa
­ Filo: Rotifera
­ Classe Seisonacea
­ Classe BdelloideaClasse Monogononta

zoologia 11/08/2006

11/08/2006

Zoologia II
Cinara Sier Nazário


Filo gastrotricha

Características gerais
430 espécies marinha e de água doce
habitat: sedimentos do fundo do mar ou água doce, animais submersos e filmes de água
dividem-se em: classe macrodasyida (marinho)
classe chaetonatida (marinho e água doce)

Estrutura externa
Tamanho de 50 à 1000 mm.
Corpo em formato de pino de boliche.
Cabeça anterior com órgãos sensoriais, cérebro e faringe.
Corpo alongado que abriga intestino médio e órgãos reprodutivos.
Toda superfície ventral pode estar ciliada (cílios longitudinais, fileiras transversais ou tufos), têm músculos, e cílios.
Na parte posterior o tronco encontra geralmente dois ou mais órgãos adesivos. Glândula mucosa e glândula de adesão.
Tubos adesivos por baixo da cabeça, ao longo das laterais do corpo.

Estrutura interna
Cutícula externa
Faixas musculares (longitudinais e transversais)
Acelomados
A musculatura circular permite re-extensão do corpo (macrodasyida).
Nas Chaetonotida está ausente uma musculatura de parede corporal circular e uma cutícula espessa antagoniza os músculos longitudinais.
A boca terminal abre-se na faringe (faringe com células mioepiteliais)
A faringe abre-se no intestino médio; que se afila para juntar ao ânus.
Digestão ocorre no intestino médio. Processos extra e intracelular.
Possuem órgãos sensoriais que incluem as estruturas cerebrais, cerdas e tufos ciliares (mecanorreceptores), buracos ciliados,apêndices carnosos (quimioreceptores) e ocelos celulares simples (fotoreceptores).

Reprodução
Pode ser sexuada (hermafroditas) ou assexuada por partenogênese.
As gônadas hermafroditas (testículo anterior e um ovário posterior)
Órgão copulatório que funciona como pênis.

Zoologia 04/08/2006

04/08/2006

Zoologia II
Cinara Sier Nazário

Principais nematodos parasitas

Ascaris lumbricóides
ciclo monoxênico
orgãos infectados
patologia
infestação/contágio - boca,faringe,esôfago, estomago,intestino delgado
profilaxia – educação sanitária
Ancylostoma duodenale
1,5 cm
dentículos
órgãos infectados
patologia
infestação/contágio
profilaxia
larva
Necator americano (amarelão)
lâminas bucais,
órgãos infectados,
larva,
patologia,
profilaxia – educação sanitária
Wichereria bancrofti (elefantíase)
ciclo heteroxênico necessita de 2 hospedeiros
vetor: Culex fatigan
órgão infectado
Enterobius vermiculares

Ancylostoma caninum

1º seminário Zoologia

Ascaris lumbricóides
Márcia Dutra
Ana Paula
Cristiléa
Maria Aparecida
Elizabeth Alves
Ancylostoma duodenale
Adriana
Geane
Greice
Cristiane
Necator americano (amarelão)
Raika
Estácio
Everton
Luiz
Márcio
Wichereria bancrofti (elefantíase)
Talita
Daniele
Letícia
Frederico
Cida Guedes
Renata Bani
Enterobius vermiculares
Elaine
Eliana
Fátima
Débora
Ednalda
Ancylostoma caninum
Maria Tereza
Marília
Maria Crisórica
Solange
Anelídios
Tiago
Márcio Aloísio
Edmundo
Mônica
Rotífera
Adriana
Kátia
Edna
Rosângela
Emília
Ivanete
Oxiurose
Valdene Martins
Maria das Graças
Aparecida Ferreira
Maria Augusta

Bioquimica 03/08/2006

03/08/2006

Bioquímica
Patrícia F. R. Rodrigues

Ementa

· Composição química do corpo
Água
Carboidratos (glicídios)
Lipídios
Proteínas
Ácidos Nucléicos
· Bioquímica celular
· Bioquímica das organelas celulares
· Química fisiológica
Respiração
Digestão

Bioquímica – Breve Histórico

A palavra vida é empregada para caracterizar objetos tão diversos como a grama, as árvores, insetos, vermes, aves, peixes e o homem. Cada um passa por um ciclo vital, se reproduz e responde de várias maneiras a estímulos externos. Durante alguns milênios, as formas “vivas” foram inicialmente classificadas baseando-se na sua anatomia comparada, visível a vista desarmada, e, mais tarde, com a ajuda do microscópio óptico. Em 1838, Scheidem e Schwann reconheceram que todas essas formas eram constituídas de células de dimensões e aspecto geral bastante similares. Este conjunto de informações relativamente primitivas, aliado à maior compreensão dos registros fósseis, foi suficiente para que Darwin formulasse a mais abrangente e compulsiva de todas as generalizações biológicas – o conceito da evolução histórica e biológica continua.
Os progressos efetuados nas ciências físicas levaram os estudiosos da Biologia a um tipo de questionamento cada vez mais sofisticado. O isolamento de números crescentes de materiais purificados a partir de formas vivas, e o reconhecimento de que todos continham carbono ensejaram o nascimento da Química Orgânica (Wholer, 1828).
Até que as leis mais importantes da Física e da Química que regem a matéria inanimada fossem elucidadas,não era possível formular questões mais profundas sobre a natureza da vida. Entrementes, a química se desenvolveu, iniciaram-se as leis da termodinâmica, e tornou-se possível examinar detalhadamente se os sistemas vivos obedeciam as leis da física e da química.a doutrina da evolução começou a ser aceita, os princípios da hereditariedade foram formulados por Gregor Mendel, e as listas dos compostos obtidos de organismos vivos aumentou ainda mais. A teoria de que várias doenças são causadas por germes foi estabelecida, e iniciou-se a sistemática microbiológica.
No início do século, Emil Fischer estabeleceu as estruturas de muitos carboidratos, aminoácidos e outros componentes e foi o iniciador de grande parte do pensamento bioquímico contemporâneo ao reconhecer a configuração óptica dos carboidratos e aminoácidos e ao demonstrar a especificidade da ação enzimática. O termo Bioquímica foi introduzido por Carl Neubergewm, em 1903.
Desde então, as informações e o conhecimento tem crescido exponencialmente. A curiosidade intelectual e as perguntas filosóficas deram a orientação geral para o curso destas pesquisas bioquímicas. Em grande parte, porém, o rápido andamento desse esforço reflete não apenas a vontade humana de auto-conhecimento mas também a certeza de que os conhecimentos adquiridos podem beneficiar a agricultura e, com ela, a nutrição animal e humana, bem como contribuir para o alívio de doenças humanas. Estes objetivos já foram alcançados em grande parte.

Zoologia 02/08/2006

02/08/2006
Zoologia II
Cinara Sier Nazário



Nematelmintos e Anelídios

Grupo de zoologia
Artrópodos
Quelicerados
Crustáceos
Quilópodos
Diplopodos
Insetos

Artrópodos

Abelhas
Débora Elaine
Ednalda Maria
Elaine Aparecida
Eliana Aparecida
Fátima Áurea
Formigas
Adriana
Cristiane
Greice
Geane
Lagarta
Vera
Tiago
Márcio Aloísio
Edmundo
Mônica
Besouro
Estácio
Everton
Luiz
Márcio
Raika
Barata
Ana Paula
Cristiléa
Márcia
Maria Aparecida
Elizabeth
Aranhas
Renata
Cida Guedes
Escorpião
Maria das Graças
Valdene
Maria Augusta
Aparecida Ferreira



Aschelminthes

Introdução

O filo Aschelminthes (do grego askos, ‘pequeno saco’, ‘envoltório’, e helmins, ‘verme’) é um dos maiores filos da Zoologia em número de indivíduos viventes. Existem espécies parasitas, mas a maioria é de vida livre.
Os asquelmintos de vida livre habitam o solo úmido, a areia dos desertos e das praias, a água estagnada, o mar. Os parasitas infestam os animais e as raízes, frutos e outras partes das plantas. Todos possuem o corpo protegido por uma película ou cutícula resistente, em função da qual foi dado o nome do filo.
Os asquelmintos são animais de simetria bilateral triploblástico, porém pseudocelomados, isto é, a cavidade do corpo não é "totalmente" revestida por folhetos mesodérmicos.
Essa cavidade é limitada, por um lado, por músculos (de origem mesodérmica), mas, por outra lado, ela é limitada pela parede do tubo digestivo (de origem endodérmica). Logo, nestes animais, não existe um celoma verdadeiro, e sim um "falso celoma" ou pseudoceloma. Os asquelmintos são os únicos pseudocelomados na escala animal.
Os nematódeos (do grego nematos, ’filamento’, e eidos, ‘semelhante’) são todos cilíndricos e alongados.
Corpo não segmentado e revestido de cutícula resistente e quitinosa. Sistema digestivo completo, possuindo boca e ânus.
O sistema nervoso é formado de um anel anterior, que circunda a faringe, e cordões nervosos longitudinais relacionados com aquele anel.
O sistema locomotor é estruturado em camadas musculares longitudinal situadas logo abaixo da epiderme.
As contrações desses músculos só permitem movimentos de flexão dorsoventral.
Não há movimentos laterais. Todos os nematódeos são unissexuados (animais dióico), ou seja, têm sexos separados — machos e fêmeas distintos. Em alguns, há até nítido dimorfismo sexual (o macho é bem diferente da fêmea).
Não há estruturas flageladas nem ciliadas nesses animais. Nem mesmo os espermatozóides possuem flagelos.
Eles se locomovem por meio de pseudópodos, com movimentos amebóides.
Os nematódeos não possuem sangue, sistema circulatório nem sistema respiratório. A respiração é anaeróbia.

Os principais nematódeos parasitas da espécie humana são:

Ascaris lumbricoides.
macho (cerca de 15 cm) é um pouco menor que a fêmea e tem a extremidade posterior enrodilhada.
Parasita do intestino delgado. Contágio direto pela ingestão de água e alimentos contaminados com ovos de verme.
O parasita passa por um ciclo no organismo humano, durante o qual a larva atravessa a parede do intestino, cai na circulação, vai ao fígado e depois aos pulmões, onde evolui parcialmente.
Depois, prossegue pelos bronquíolos, brônquios, traquéia, laringe, glote, faringe, esôfago, estômago e, finalmente, retorna ao intestino, onde termina a evolução.
A ascaridose ou ascaridíase provoca distúrbios digestivos não muito acentuados e cólicas vagas; só quando o número de vermes se torna muito grande é que surge o grave perigo de obstrução intestinal por novelos de áscaris.

Ancylostoma duodenale e Necator americanus
São dois vermes muitos parecidos (cerca de 1,5 cm).
Os ancilóstomos possuem uma espécie de boca com dentes que servem para "morder" a mucosa intestinal, fazendo-a sangrar. Esses parasitas alimentam-se de sangue.
O necátor não possui dentes, mas lâminas cortantes na boca, que são usadas com a mesma finalidade.
Isso provoca uma constante perda sangüínea no doente, que vai ficando anêmico e enfraquecido. É isso que justifica o nome popular de "amarelão" ou "opilação" que é dado à ancilostomose e à necatorose.
Os ovos desses vermes são eliminados nas fezes e contaminam o solo, onde liberam larvas.
Essas larvas têm a capacidade de penetrar pela pele das pessoas que andam descalças, sendo essa a principal via de propagação da doença. O uso de calçados constitui-se no melhor meio de profilaxia da ancilistomose.

Ancylostoma caninum
É um parasita muito comum de cães. Todavia, sua larva pode penetrar na pele humana, onde cava túneis e provoca sensações de ardência e coceira extremamente incômodas.
O contágio ocorre freqüentemente na areia das praias, onde os cães portadores da verminose defecam, ali deixando os ovos embrionados do parasita. A larva desse verme é conhecida como larva mígrans o bicho geográfico.

Enterobius (Oxyurus) vermicularisI
É um dos vermes de maior disseminação entre crianças, embora também ocorra em adultos.
Pequenino e numerosíssimo, o oxiúro prolifera nas porções baixas do intestino grosso, de onde migra para o reto, nas imediações do ânus, principalmente à noite. A intensa movimentação dos vermes ocasiona uma irritante coceira no ânus, que identifica logo a oxiuríase.

Wuchereria bancrofti
Também conhecida como filária de Bancroft, é um verme extra-intestinal, pois se localiza nos vasos linfáticos.
A fêmea é maior que o macho, podendo alcançar 10 cm de comprimento. A presença do verme nos vaso linfática ocasiona a dificuldade circulatória da linfa, isto é, estase linfática.
Há derramem de líquidos para os tecidos vizinhos, com aparecimento de edema (inchação) progressivo, que pode levar aquela parte do corpo a dimensões desproporcionais.
Partes do corpo como mamas, bolsa escrotal e pernas assumem proporções chocantes. Essa doença tornou-se conhecida popurlamente como "elefantíase". Cientificamente, é a filariose ou wuquererose.
O contágio é indireto, exigindo a participação de um transmissor ou vetor — o mosquito Culex fatigan.
A larva desse verme é chamada microfilária e é mais facilmente encontrada no sangue do doente quando colhido à noite. Durante o dia, essas larvas se recolhem à circulação profunda dos grandes vasos

Thursday, August 17, 2006

Filo Rotífera

Filo Rotifera
Rotíferos

Características Gerais
­Simetria bilateral
­Corpo de certa forma cilíndrico
­Corpo revestido com cutícula
­Trato digestivo – mástax
­Células flamas
­Gânglio nervoso dorsal, órgãos sensitivos em forma tufo ou manchas ocelares
­Sexos separados

Estrutura e Função
­Cabeça, tronco e pé
­Possui uma coroa ciliada que ajuda na locomoção e alimentação
­Sistema digestivo completo

História Natural
­Cosmopolitas
­Vida livre e solitária
­Água doce e calma, com muitas vegetações aquáticas
­Alimentam-se de detritos orgânicos assim como outros organismos
­ Servem de alimento para vermes e pequenos crustáceos

Principais Representantes
­Classe Seisonacea: Seison
­Classe Bdelloidea: Abrotrocha, Philodina, Rotaria(Rotifer)
­Classe Monogononta: Proales, Mytilina, Epiphanes(Hydatina)

Reprodução
­Assexuada (partenogênese) ou com a participação do macho.
­Dos ovos fecundados pelos machos podem nascer machos e fêmeas
­Partenogênese (sem a participação do macho) nascem apenas as fêmeas

Classificação
­Reino: Animalia
­Sub reino: Metazoa
­Filo: Rotifera
­Classe Seisonacea
­Classe Bdelloidea
­Classe Monogononta